Vamos ter cuidado com o USDC

Vamos ter cuidado com o USDC

cardaniansio

A Circle tomou a decisão imediata de cessar a cunhagem de USDC na plataforma Tron. Os atuais detentores de USDC têm a opção de transferir seu USDC para uma plataforma diferente ou trocá-lo por moeda fiduciária. A Circle não revelou razões específicas para sua saída da Tron, levando a especulações sobre possíveis pressões regulatórias. Apesar disso, continuamos a apoiar iniciativas para introduzir stablecoins lastreadas em dólares americanos na plataforma Cardano. Agradecemos e encorajamos os esforços de todos os membros da comunidade que trabalham para este objectivo. No entanto, é importante permanecer cauteloso e compreender os riscos associados às stablecoins apoiadas em dólares americanos.

Stables ajudam na adoção da Blockchain

Aproximadamente 70% de todas as transações no setor de criptomoedas estão associadas a stablecoins, sendo USDC e USDT os mais prevalentes. Este provou ser um empreendimento lucrativo tanto para a Circle quanto para a Tether.

Tron é conhecido por suas taxas comparativamente baixas e tempos de liquidação rápidos. É o lar de um negócio de stablecoin em expansão.

Em termos de capitalização de mercado de stablecoin, Tron, com 37% de participação, é a segunda maior plataforma de uso de stablecoin, atrás do Ethereum, que detém 52%.

Tron ultrapassa Ethereum em termos de quantidade de USDT cunhado. É uma plataforma preferida para transferência de fundos entre bolsas. Além disso, o uso do Tron está aumentando nos países em desenvolvimento, onde é comumente usado para fazer compras com USDT.

No Tron, os usuários preferem o USDT, que representa 96% da capitalização de mercado da stablecoin nesta plataforma. Portanto, a decisão da Circle de deixar esta plataforma não resultará em perda significativa.

Mas há um porém. Não deve acontecer que Tether tome a mesma decisão que Circle. Isso seria um grande golpe para Tron.

Quem controla o DeFi?

Que fatores contribuem para o sucesso de Tron? Em grande parte, depende da lealdade contínua do Tether e da contínua cunhagem de USDT na plataforma. Circle, Tether e outras entidades semelhantes são empresas regulamentadas. Portanto, as decisões de abandonar uma plataforma ou potencialmente todas as plataformas podem ser influenciadas pelas autoridades reguladoras.

As autoridades podem impor requisitos às empresas do tipo Tether e Circle para impor KYC/AML aos usuários ou possuir a capacidade de congelar uma conta ou interromper transações sob demanda, espelhando os sistemas bancários tradicionais.

Confiar nas decisões de terceiros introduz um certo grau de centralização, independentemente da descentralização da blockchain. Dado que o DeFi depende de stablecoins, é crucial considerar estratégias para mitigação de risco.

Atualmente, a indústria de criptomoedas é governada principalmente por duas stablecoins apoiadas em dólares americanos, nomeadamente USDT e USDC. Em certas plataformas, estas duas stablecoins são representadas igualmente. No entanto, em algumas plataformas, uma delas detém uma posição dominante. Isto representa um risco.

Na plataforma Tron, o USDT domina com uma participação de 96%, enquanto na Base, o USDC detém uma presença dominante de 91%. Os usuários do BSC e do Arbitrum usam principalmente o USDT, representando cerca de 75% de seu uso, e no Avalanche, o USDT prevalece com uma participação de 68%.

Podemos supor que se uma stablecoin com posição dominante saísse da plataforma, a outra com maior presença prevaleceria. Mas isto é uma perda do ponto de vista da descentralização.

O USDT pode ser encontrado em 62 plataformas, ostentando uma capitalização de mercado total de 97 bilhões de dólares. USDC está disponível em 61 plataformas, com uma capitalização total de 27 mil milhões de dólares. O terceiro lugar é ocupado pela stablecoin algorítmica DAI, que está presente em 33 plataformas e tem uma capitalização de mercado total de 4,8 bilhões de dólares.

As pessoas preferem fortemente stablecoins lastreados em dólares americanos em vez de algorítmicos.

Diversidade e stablecoins algorítmicas

A decisão da Circle de abandonar Tron deve ser uma nota de advertência para a comunidade Cardano.

A influência do Circle e do Tether na comunidade criptográfica está se expandindo progressivamente, mais do que geralmente se percebe. Se estas entidades decidirem mutuamente abandonar uma plataforma ou forem obrigadas a fazê-lo pelos órgãos reguladores, isso poderá essencialmente devastar o respectivo ecossistema DeFi.

No caso de um hard fork da blockchain Ethereum, essas empresas determinariam essencialmente o Ethereum “certo”. Para evitar tal cenário, imagino duas soluções potenciais: fomentar a diversidade e promover o uso de stablecoins algorítmicas.

Existem discussões em andamento sobre a possibilidade de a Circle implantar USDC na Cardano. Soluções tecnológicas, como tokens do tipo ERC-20, foram propostas por membros da comunidade para facilitar isso. Porém, segundo Charles Hoskinson, o desinteresse da Circle na Cardano não se deve a razões financeiras ou tecnológicas. Vamos aguardar o resultado das negociações.

A comunidade Cardano também deve considerar esforços para incorporar o USDT em sua plataforma, o que envolveria discussões com o Tether.

Ter três stablecoins apoiadas em dólares americanos, nomeadamente Mehen USDM, USDT e USDC, criaria um ambiente mais equilibrado em comparação com uma plataforma como Tron, que em breve dependerá exclusivamente do USDT.

Maior autonomia de entidades terceiras e, portanto, um movimento em direção à descentralização, é possível através do uso de stablecoins algorítmicas. Apesar de não ser a preferência atual entre os usuários de DeFi, é fundamental defender essa mudança.

As criptomoedas, por sua natureza, são descentralizadas e não aderem a nenhuma jurisdição específica. Isto os torna uma escolha vantajosa como garantia para stablecoins, que da mesma forma, não estariam sujeitas a nenhuma jurisdição específica.

Dentro do ecossistema Cardano, temos DJED, uma stablecoin algorítmica que demonstrou sua robustez em meio a um mercado em baixa. Certamente vale a pena considerar melhorar o algoritmo e explorar formas de melhorar a eficiência econômica.

Conclusão

Nesta fase, não faz sentido prescindir de uma stablecoin apoiada em dólares americanos e seguir exclusivamente o caminho das stablecoins algorítmicas. O mercado não está preparado para tal mudança. Cardano precisa de USDT e USDC o mais rápido possível. Podemos visar progressivamente um futuro onde as stablecoins algorítmicas prevaleçam. No entanto, esta transição provavelmente será um processo demorado e desafiador. Espera-se que as stablecoins apoiadas em dólares americanos tenham um bom desempenho, pelo menos até que as circunstâncias mudem. Os ecossistemas DeFi devem manter a independência das empresas financeiras regulamentadas. Podemos esperar o melhor, mas devemos estar preparados para o pior.

Você gostou deste artigo? Por favor, compartilhe, obrigado!