CARDANO A 3ª GERAÇÃO DE CRIPTOMOEDAS

português-🇵🇹

#1

Gostaria de expor minha humilde opiniao, e minha experiência, na
avaliação de criptomoedas que tenho feito nesses ultimos dois anos.
Para investirmos em uma criptomoeda, devemos avaliar vários
fatores, tais como equipe, comunidade, objetivo, smart contrats,
blockchain, ou seja, avaliar o write paper por completo.
Na minha opiniao, embora eu não diga pra você colocar todo o seu
investimento, e nem estou aqui dando a vocês ideias de
investimento, o que acredito, cada um deve fazer suas próprias
pesquisas, mas, ao inves de pesquisar centenas de projetos, comece
pela Cardano, pra mim é o melhor projeto em desenvolvimento para
investimento a longo prazo….
Vou expor aqui um pouco sobre esse grande projeto:
Tudo Sobre Cardano: A
Criptomoeda com Base Científica de 3ª Geração

1ª Geração foi o Bitcoin, a primeira Criptomoeda a ganhar valor e notoriedade no mundo como transção de valores, considerada hoje como ouro digital.
2ª geração: A Ethereum surgiu como a segunda grande Criptomoeda, trazendo acoplada em sua blockchain os famosos Smart Contrats e criação de outros tokens dentro de sua rede.
3ª geração: Vemos agora o surgimento de Cardano, que trabalha acima da rede blockchain de Ethereum, oferecendo suluções, estudando os problemas das outras criptomoedas e oferecendo-se para resolver, atraves de suas sidechains, cadeias de blockchains filhas, acopladas a sua rede principal e muito mais, conheça um pouco de Cardano nesta materia.

1.0 O que é cardano?
Uma criptomoeda é mais do que a soma de seus protocolos e código
fonte. É um sistema social que inspira, permite e liga pessoas.
Frustrados pelas falhas, e promessas quebradas de protocolos
passados, buscamos construir algo melhor. A evolução não é guiada
por uma única mão ou um grande projeto. É um processo do acaso
inspirado por inúmeros erros e problemas. Cardano procura ser a
encarnação digital desse processo. Aptos o suficiente para sobreviver
aos mercados de hoje e adaptáveis para se adaptar as necessidades
do futuro. Cardano é um sonhador pragmático que aprende com os
mais velhos. É um bom cidadão da comunidade, e sempre encontrará
uma maneira de melhorar. Não podemos conhecer o futuro, mas
estamos felizes em tentar melhora-lo para todos.
O parágrafo acima é uma tradução adaptada por mim de alguns
trechos que estão presentes em uma documentação da Cardano.
Esse texto resume muito bem a ideologia e o próprio
protocolo Cardano. Darei uma abordagem bem
genérica que será aprofundada no decorrer do texto.
Cardano é uma plataforma que pretende atuar junto a todas as
outras criptomoedas, pois acredita que no futuro todas trabalharão
juntas. Possui um financiamento muito participativo, os protocolos
vão sendo criados com base na aceitação da comunidade. Pretende
criar uma plataforma baseada em Blockchain para votações de
Hard Forks e Soft Forks. Traz a criação de uma tecnologia muito
maleável, permitirá a troca de protocolos e tecnologias
como algoritmos criptográficos, que poderão ser substituídos por
outros mais seguros e resistentes a computação quântica. Essa
característica maleável visa impedir Forks na moeda, como o que

aconteceu com a Ethereum, onde nasceu a Ethereum Classic.
Sua carteira Daedalus também pretende aceitar
inúmeras criptomoedas, facilitando a troca entre todas elas na
mesma plataforma. Haverá uma espécie de loja dentro da própria
carteira, onde poderão ser lançados aplicativos específicos que
devem ajudar no manejo das finanças e no suporte de
outras criptomoedas. Ethereum Classic, por exemplo, já está nos
planos para ser portada para a carteira.
Assim como Ethereum, suporta Contratos inteligentes. Possui sua
própria linguagem chamada Plutus, mas também suporta a
linguagem Solidity usada na Ethereum. Outro aspecto que podemos
relacionar é que a Ethereum pretende mudar seu consenso
para Proof of Stake, Cardano já inicia seu projeto
usando Proof of Stake. O PoS cardano é chamado de Ouroboros e
possui algumas particularidades, também resolve os problemas de
escalabilidade, garantindo uma velocidade exponencial, abordarei
sobre isso mais a frente.
Cardano também oferece algumas tecnologias e possibilidades que
ajudarão nas transações que necessitam mais formalidade e
segurança, como entre bancos ou instituições mais conservadoras,
garantindo transparência e segurança para os dois lados. Poderá ser
feita anexação de documentos em uma transação e afins, mas
isso será opcional para o usuário, podendo ser usado para transações
especificas se o mesmo permitir.
Cardano praticamente aborda todos os problemas e mostra soluções
para resolve-los. A plataforma apresenta uma arquitetura e modelo
que permite sua metamorfose quando surgirem novos problemas.
Por esse motivo ela se intitula como a encarnação digital do Processo
evolutivo das criptomoedas.

1.1 Desenvolvimento do projeto
Cardano é o projeto que lida com a moeda ADA. Considerada
uma criptomoeda de terceira geração, Ethereum sendo considerada
de segunda geração e Bitcoin de primeira. O projeto Cardano quando
“finalizado”, fornecerá recursos que são mais avançados do que
qualquer outro protocolo apresentado aqui por mim até agora.
Cardano é desenvolvido na linguagem Haskell, muito tolerante a
erros e considerada mais segura para essa área que outras
linguagens comumente usadas. A criptomoeda permaneceu em
financiamento por 2 anos, sendo finalizado o financiamento apenas
no final de 2017. Teve 90% dos seus investidores
localizados no japão e outros países asiáticos. A moeda era conhecida
por IOHK, mas acabou vindo ao mercado como Cardano.
A plataforma Cardano foi lançada pela empresa IOHK (Input Output
Hong Kong). Ela é liderada por Charles Hoskinson, ex-cofundador
da BitShares e Ethereum. IOHK está responsável pelo
desenvolvimento criptografico da tecnologia com um
contrato até 2020. Cardano conta com apoio de muitas universidades
e cientistas pelo mundo. Além da IOHK também há
a Cardano Foundation, organização independente localizada na Suíça
que é responsável pelo apoio aos usuários e trabalha com as
autoridades manuseando o material comercial e de regulamentação.
Por último temos a Emurgo sediada no Japão, seu papel é apoiar,
desenvolver e arrumar parcerias com StartUps que desejam utilizar
a Blockchain Cardano em seus serviços.
O planejamento da Cardano se diferencia das demais devido seu
nível de organização e métodos científicos em sua construção. Ao
invés de possuir apenas um White Paper como geralmente acontece
com outras criptomoedas, Cardano possui uma vasta documentação
no site da IOHK que é atualizado periodicamente.

A documentação cientifica é avaliada por profissionais da área antes
de qualquer implementação.
A Cardano também utiliza diversas tecnologias já existentes,
aproveitando o melhor que a criptografia tem a oferecer. A
fundação Cardano serve como auditora do código criado pela
IOHK, além disso fornece apoio para equipes de desenvolvimento
focadas em construir clientes alternativos. Essa técnica garante
diversidade no desenvolvimento e evita uma formação de
monoculturas em torno de um único conjunto de ideias ou
desenvolvedores. Tem sido uma ótima técnica também usada pelo
projeto Ethereum. Essas e outras atitudes dão uma transparência
muito grande ao projeto.
1.2 Distribuição da moeda, curiosidades,
taxas e “mineração”
Distribuição da moeda
Como já explicado no começo do guia, mais de 90% dos investidores
são japoneses, isso devido a regulamentação mais afrouxada sobre
as criptomoedas que o país possui. Foram
geradas 25.927.070.538 ADA com investimento de mais de 62
milhões de dólares. A Cardano gerou mais 20% das moedas criadas
para dividir entre seus três grupos que cuidam do desenvolvimento
da moeda, um valor de 5.185.414.108 ADA, totalizando
então 31.112.484.646 ADA. O máximo de moedas que poderão ser
emitidas é 45.000.000.000 ADA, ou seja 13.887.515.354 ainda
poderão ser “mineradas”.

O financiamento ocorreu em quatro etapas, durante elas, além do
Japão outros países asiáticos fizeram parte do financiamento, que
podia ser feito com BTC ou iene, moeda oficial do Japão.
Curiosidades
O nome da moeda é ADA em homenagem a Ada Lovelace uma
matemática e escritora nascida em 1815. Ada é conhecida como a
primeira programadora da história. Respectivamente as frações da
criptomoeda ADA são conhecidas como Lovelace.
•1 ADA = 1,000,000 Lovelaces
•1 Lovelace = 1 / 1,000,000 Ada
•Ada tem seis casas decimais.
•1.000000 = 1 ADA
•0.000001 = 1 Lovelace
Como existe uma criação de moedas e um grupo responsável pelas
validações, eles precisam ser pagos e é para eles que as taxas são
enviadas. O valor da taxa é a soma de dois valores, um constante e
um variável. O valor 2 é cobrado por cada ADA ou Byte.
Valor 1 = 0.155381 ADA (constante)
Valor 2 = 0,000043946 (variável)

Mineração / Aposta
Mineração seria um termo incorreto, pois Cardano utiliza PoS,
tecnologia que será explicada mais à frente. Em moedas que
utilizam PoS, o processo de criar novos blocos/moedas é conhecido
como Aposta. Os apostadores deixam suas moedas lá paradas no
software responsável pelo consenso e ganham e geram novas
moedas com proporção no valor “investido”. Apostas geralmente
envolvem risco de perda e ganho, mas não é possível perder suas
moedas nesse processo.
A mineração funciona de forma bastante simples. Uma fração de
tempo é definida como Época e cada época é dividida em Slots e
cada Slot possui um líder. Os líderes irão ficar responsáveis por
validar as transações e gerar novos blocos. Novos lideres serão
elegidos a cada nova Época. Para entender mais a fundo como
funciona a eleição, podem ler mais abaixo o tópico sobre Ouroboros.
1.3 Governança e tesouraria
Como citado no resumo inicial, Cardano pretende criar um sistema
que permita a fácil votação da comunidade em possíveis Forks ou
atualizações do protocolo, tal media faz muita falta atualmente nas
maiores moedas como Bitcoin e Ethereum.
Outro ponto relacionado com governança e tesouraria é a forma que
as ICO’s são atualmente financiadas. Cardano acredita não ser um
modelo eficiente, pois o dinheiro é coletado todo de uma vez e
gastado da forma como os desenvolvedores bem entendem, se os
recursos acabarem, não há nada o que fazer.

Buscando resolver esse problema, Cardano pretende lançar
seus Tokens com espécies de contratos inteligentes onde uma
pequena porcentagem das taxas de transações é armazenada em
uma espécie de cofre. Esse dinheiro será usado para
objetivos preestabelecidos e votados pela comunidade.
Tal estratégia garante muito mais transparência, dá mais confiança a
investidores e garante a sustentabilidade do projeto por mais tempo.
Tais medidas também devem ser adotados no protocolo Cardano por
inteiro, não só em seus Tokens.
2.0 Como funciona
Cardano tenta resolver principalmente três problemas.
Correlacionarei seu funcionamento com a resolução desses três
principais problemas que são: Interoperabilidade, sustentabilidade e
escalabilidade. Darei um breve resumo deles no próximo paragrafo e
abordarei melhor mais abaixo, nas ferramentas e tecnologias que
explicam o funcionamento da rede.
Interoperabilidade refere-se a característica de comunicação entre
sistemas diferentes. Essa característica não existe
nas criptomoedas atuais onde cada uma possui seu próprio protocolo
que não se comunica com os outros. Sustentabilidade no quesito dos
projetos serem de certa forma imutáveis, que não permitem
alteração nos seus protocolos de forma simples. Escalabilidade na
questão da rede ficar mais lenta quando aumenta de tamanho, sendo
que deveria acontecer o contrário.

Daedalus
Daedalus é a carteira oficial da moeda ADA, ela é criada em um
“fork” da Electrum, programação baseada em Web. Seguindo esse
modelo Web, a mesma suportará extensões, de forma parecida como
a que ocorre no Google Chrome com uma espécie de loja de
aplicativos. Tais funções permitirão a carteira suportar
inúmeras criptomoedas, a tornando uma carteira universal.
Atualmente está em sua primeira geração e funciona apenas como
carteira, mas no futuro existirá API e SDK para qualquer
desenvolvedor criar sua aplicação em linguagens conhecidas
como Javascritp, Html5 e CSS3.
Como a Daedalus tem um intuito meio universal e é
Open Source (Livre e gratuita), ela acaba se desvinculando um pouco
da Cardano em si e se tornará uma ferramenta independente
importantíssima no futuro das criptos, pois resolve o problema de
interoperabilidade.
Imagine um mercado descentralizado, que suporta um conjunto de
criptografias diferentes. Um comerciante quer automatizar os seus
negócios. Em um ecossistema fragmentado, o comerciante teria que
instalar dezenas de clientes para cada criptomoeda e, em seguida,
escrever um software personalizado para conversar com cada cliente
para coordenar os negócios automatizados. Se o software de uma
das Criptomoedas atualizar, pode parar o funcionamento do software
personalizado. Com Daedalus esse problema seria resolvido pois tudo
estaria as mãos do comerciante em uma carteira só que abriga
“todas” as criptomoedas e Tokens, com funções de
conversão, Exchanges e afins. Outras Wallets que suportam Cardano:
Atomic, Yoroi, Ledger…

Tokens
Os Tokens são como outras moedas criadas dentro da plataforma
que a Cardano oferece. Elas agem como uma moeda normal e podem
ser armazenados em uma carteira normalmente. Eles não
são usados simplesmente como moedas e fim. Os Tokens são ativos
digitais com o intuito de representar qualquer coisa, dependendo de
qual o intuito do seu sistema nativo, que pode ser, por exemplo, uma
Aplicação descentralizada, algo que veremos mais à frente.
Um Token pode representar uma barra de ouro, um carro, uma
folha que garante a validação de um documento ou qualquer coisa. O
intuito do Token é virtualizar um ativo ou “coisa” que é necessária no
mundo real para realizar a ação que agora está sendo feita
na blockchain. É como se o Token monetizasse qualquer ação para
facilitar a operação na aplicação virtual. Explicar isso em texto é
muito complicado, mas espero que tenham entendido.
Contratos inteligentes
Contratos inteligentes são as instruções e programações que
funcionam por meio da Blockchain. São ordens automáticas que
devem ser realizadas se as regras e pendencias estabelecidas forem
cumpridas. Darei um exemplo abaixo.
“O candidato que receber mais votos no período de 20 dias, terá a
responsabilidade de realizar tal serviço”
Esses contratos podem ser construídos de diferentes formas e podem
ganhar muita complexidade. Seria possível por exemplo, programar
contratos inteligentes para eletrodomésticos. Uma geladeira poderia
possuir sensores que quando verificassem que ela está vazia,
executassem um contrato que emite um pedido de compras ao
supermercado mais próximo, para o endereço da casa.

Essas aplicações serão possíveis no futuro, mas atualmente possuem
implicações mais virtuais e dentro dos computadores
especificamente. Assim como na Ethereum e outras plataformas,
Cardano também oferece suporte a isso, que no caso, é uma de suas
principais funções.
Máquina virtual
Esse nome é dado ao ambiente que a plataforma cede para a criação
das aplicações e contratos inteligentes. Fornece um ambiente
amigável para a fácil criação das aplicações. Também é possível
testar suas aplicações nele antes de lançarem na rede.
A máquina virtual é capaz de entender várias linguagens de
programação e é responsável por converte-las para que possam ser
lidas e executadas pela Blockchain Ethereum. Ela também é
responsável por tornar todos os aplicativos padrões e compatíveis
entre si.
A máquina virtual usada na Cardano é conhecida como IELE e
funciona de forma diferente da EVM da Ethereum. É de certa forma
melhorada e mais leve. Tal arquitetura tornará a especificação e a
verificação dos contratos inteligentes significativamente mais fáceis,
evitando falhas como a que acarretou na criação
da Ethereum Classic. Como Ethereum, o IELE usará gás para limitar
o uso de recursos e evitar ataques DoS.
Aplicações descentralizadas
Uma aplicação descentralizada ou Dapp é semelhante a um contrato
inteligente. Funciona como um aplicativo construído com base em
diversos contratos inteligentes, visando executar uma tarefa mais
complexa.
45
Aplicações descentralizadas já existem antes da Blockchain, um
exemplo é a rede Tor e o Bitorrent.
A plataforma Cardano traz facilidade para os usuários criarem suas
DAPPs (decentralized application) dentro do seu sistema e rodando
na sua Blockchain.
Organização autônoma descentralizada
É uma espécie de subclasse de corporações que atuam na internet de
forma autônoma. Essas aplicações dependem da contratação de
indivíduos para realizarem ações que o próprio autômato não é capaz
de realizar.
Uma DAO (Organização autônoma descentralizada) contém algum
tipo de propriedade interna que é valiosa de alguma forma, e tem a
capacidade de usar essa propriedade como um mecanismo para
recompensar certas atividades. Bitcoin de certa forma seria
uma espécie de DAO, pois recruta os mineiros e os recompensa de
forma automática.
CSL, CCL e Sidechains
É preciso tomar decisões difíceis sobre os dados a serem
armazenados para cada transação. Quais elementos da história por
trás da transação entre duas pessoas são relevantes? Eles são
relevantes para sempre? Quando podemos jogar fora alguns dados?
Isso viola a lei dentro de alguns países?
A Cardano é formada basicamente de duas estrturas, CSL e CCL. CSL
significa Camada de liquidação Cardano. É a primeira camada e a
principal.

Trata-se de uma Blockchain independente que basicamente
contabiliza apenas valores sem contratos inteligentes, históricos ou
quaisquer outras complexidades. Poderia ser usada em transações
simples.
CCL é a Camada de computação Cardano, responsável por abrigar
basicamente os “Contratos inteligentes” e os aplicativos
descentralizados. Existem dois componentes de uma transação: o
mecanismo para enviar e gravar o fluxo de Tokens (CSL) e os
motivos, bem como as condições por trás dos Tokens em movimento
(CCL).
Essa divisão traz junto o conceito de Sidechains. A CCL pode ser
composta de várias Sidechains/Blockchains especificas com suas
próprias regras e protocolos. Todas elas se comunicariam com a
camada inferior CSL que de certa forma é a essencial.
Esse desing possibilita muitas melhorias. Empresas ou instituições
mais serias e burocráticas poderiam utilizar apenas camadas que
permitissem acesso a uma maior quantidade de dados, históricos,
informações pessoais e segurança. Em contrapartida usuários
comuns ou outros serviços poderiam utilizar camadas mais
“anônimas” que não necessitam de tantos recursos.
Para alguns pode estar confuso o conceito de Sidechains, mas
basicamente são protocolos diferentes que ficam laterais
a Blockchain principal. São outras Blockchains com propósitos
específicos que detém sua própria tecnologia, regras e intuitos, que
não interferem nem prejudicam nem tem capacidade de fraudar
a Blockchain principal que nesse caso é a CSL, mas que dependem
dela. O protocolo utilizado pela Cardano permite a comunicação entre
as Sidechains, também possibilita outros recursos. Tal
tecnologia está sendo desenvolvida e é conhecida como
KMZ Sidechains.

Tal estrutura também traz sustentabilidade, pois ao trazer a
possibilidade de encaixar diversos protocolos diferentes, eles também
trazem a capacidade de adaptação e de criar tecnologias especificas
sem precisar fazer Hard Forks nem nada semelhante.
Outro exemplo de vantagem ao utilizar tal método é o caso do
mercado ilegal que rodeia as criptomoedas. As possibilidades são
imensas, tais atividades ilegais não seriam possíveis em
determinadas camadas que os usuários poderiam optar por participar
delas e não das que permitem. Isso tira a obrigação que os usuários
têm em manter aplicações descentralizadas em uma rede que
suporta diversas coisas que não condizem com a legalidade e com
suas índoles, que é basicamente o que acontece
em Blockchains únicas.
HSM, Intel SGX, ARM Trustzone e SGP
HSM (Hardware Security Module / Módulo de segurança de hardware)
é um dispositivo de segurança baseado em hardware que gera,
armazena e protege chaves criptográficas. é uma peça física
responsável por essa função, que garante ainda mais segurança para
as transações.
Intel SGX e ARM Trustzone são módulos integrados em bilhões
de dispositivos de notebooks, celulares e não requerem esforços
adicionais no lado do consumidor para uso. Ambos também são
fortemente examinados, bem desenhados e baseados em anos de
iteração de algumas das maiores equipes de segurança de hardware
e melhor financiadas do mundo.
O intuito do uso desses Hardwares é fornecer garantias de que os
dados podem ser verificados e depois destruídos sem serem copiados
ou vazados para pessoas estranhas e maliciosas.

Como citei acima, existirão Sidechains ou aplicações que podem
exigir informações de Identidade, em um processo normal isso se
torna de certa forma centralizado, pois suas informações estariam
nas mãos de outros. Com essa tecnologia, tais módulos seriam
responsáveis por armazenar suas credencias e também por
examinar, sem que o verificador conheça a identidade do ator. Tais
características serão possíveis nesses Hardwares graças a uma
tecnologia de software conhecida como SGP (Sealed Glass Proof /
Prova de vidro selado).
RINA, escalabilidade e poda da rede
O histórico de transações é conhecido como Livro razão ou Ledger. É
de certa forma, o banco de dados da Blockchain e é mantido por
todos os Nós (usuários que usam software especifico). Em moedas
como Bitcoin esse histórico é mantido repetidamente por cada nó na
rede o que demora cada vez mais a sincronização de novos blocos
quando o tamanho da rede aumenta.
Cardano utilizará uma técnica conhecida como RINA
(recursive internetwork architecture). É uma arquitetura de rede
de computadores que unifica computação distribuída. Basicamente
o Ledger vai ser dividido em vários subgrupos que se comunicam
entre si pela arquitetura RINA. Tal método permite a divisão de
trabalho entre os nós. Cada nó se tornara responsável por parte da
rede e não por ela inteira. Ao invés de aumentar o tempo de
sincronização ao elevar o número de usuários, o tempo diminuirá,
pois, o Ledger estará cada vez mais dividido sem a necessidade que
milhares de usuários fiquem verificando os mesmos arquivos
repetidos entre si.
Técnicas de poda de rede também estão inclusas nos planos, visando
diminuir o tamanho do Ledger para facilitar seu armazenamento, não
estão em primeiro plano pois ainda não é um problema para a rede.

2.1 Algoritmo de consenso
PoW
PoW (Proof of Work / Prova de trabalho) é o algoritmo utilizado pelo
Bitcoin e outras moedas para validar as transações e as registarem.
Esse processo utiliza cálculos matemáticos cada vez mais difíceis que
exigem um enorme poder de computação e energia para realizarem
esse processo. Tal arquitetura traz um enorme custo para
manutenção da rede, aumentando as taxas e o tempo de
confirmação das transações. Buscando evitar tais problemas, muitas
medidas foram procuradas e uma delas é a PoS, consenso bastante
difundido e utilizado atualmente, inclusive pelo Cardano. Abaixo
explicarei como ele funciona.
Ouroboros (PoS)
Ouroboros é a parte mais importante do protocolo. Seu algoritmo de
consenso utiliza Proof of Stake (prova de participação). Diferente
do Proof of Work, ele não utiliza Energia nem recurso computacional
para verificar e validar as transações. É utilizado os próprios valores
monetários dos validadores para comprovar seu “poder” de
validação. Quanto mais moedas você possui, mais transações
você válida. As diferenças que isso causa são grandes e
há várias pessoas que preferem esse tipo de consenso, enquanto
outras preferem o Proof of Work. Ambas possuem suas vantagens e
desvantagens, mas no final se resume ao mesmo, um atacante
precisaria de MUITO dinheiro para atacar alguns desses dois
sistemas.
Há alguns parágrafos atrás vocês viram resumidamente como
funciona o processo de criação de novos blocos.

No parágrafo abaixo explicarei o algoritmo por trás de tudo, que
garante que o sistema não seja burlado e que o líder de cada época
seja escolhido aleatoriamente. Todo o processo abaixo acontece
enquanto a Época 1 ainda está acontecendo. O processo define o
líder para a próxima Época que irá validar a transação e criar um
novo bloco.
Passo 1: Imaginem que todos os eleitores fazem uma espécie de
arremesso de dados, com o intuito de gerarem um valor aleatório,
cada eleitor receberá um valor diferente.
Passo 2: Esse valor será inserido dentro de um cadeado digital que
contem a identificação de seu dono (eleitor) e que mostrará esse
valor aleatório ao ser aberto com sua chave especifica.
Passo 3: Todos os eleitores colocam seus respectivos cadeados com
identificações em uma vitrine de vidro totalmente fechada, que deixa
a disposição apenas o buraco onde se insere a chave, impedindo
qualquer alteração no cadeado.
Passo 4: Respectivamente, todos os eleitores têm visão e acesso a
todos os cadeados e podem tentar abri-los, mas não os corromper.
Todos os eleitores cedem copias de suas chaves uns para os outros.
Passo 5: Como os cadeados possuem identificação de quem são seus
donos, basta cada eleitor tentar abrir cada cadeado especifico.
Passo 6: Após serem abertos, todos os cadeados mostraram em seu
display o valor aleatório que cada eleitor “ganhou” no começo do
processo ao jogar seus dados.
Passo 7: Todos esses valores serão usados em um cálculo que todos
os eleitores conhecem e no final todos eles obtêm o mesmo
resultado, mesmo cada um tendo gerado um valor aleatório.

Passo 8: Caso algum eleitor não coopere e ceda uma chave errada o
processo não será alterado ou atrapalhado, apenas seu valor
não será contabilizado no cálculo.
Passo 9: Após o valor final ser gerado, ele será calculado junto a um
algoritmo conhecido como Siga o Satoshi.
Passo 10: De forma aleatória, esse algoritmo irá escolher uma moeda
dentro da razão, que seria a contabilização de todas as moedas dos
eleitores.
Passo 11: O dono da moeda escolhida será escolhido como líder do
Slot, respectivamente quanto mais moedas o eleitor possuir, maiores
as chances de uma das suas serem escolhidas e dele ser o líder.
3.0 Roadmap e equipe de
desenvolvimento
De forma mais abrangente, o desenvolvimento da Cardano é
separado em 3 etapas. Elas são conhecidas como Era testnet,
Era bootstrap e Era da recompensa. O testnet foi uma espécie de
Beta teste, onde todas as funções estavam de certa forma ativas.
Apenas algumas pessoas participaram e não era o protocolo oficial,
era apenas uma rede de testes.
Atualmente nos encontramos na Era Bootstrap que é um período
onde a rede já está parcialmente funcionando. Tudo que acontece
nesse momento será mantido. Atualmente a rede se encontra
parcialmente centralizada por um grupo de nós confiáveis e durante
esse tempo a criação de novos blocos está desabilitada.
A era da recompensa começará logo após a Bootstrap que nos
encontramos.

Durante esse período, a rede funcionará de forma totalmente
descentralizada. A rede estará mantida e descentralizada por meio
dos validadores que em conjunto farão a verificação da rede. Esse
trabalho atualmente é feito pela própria equipe Cardano. O sistema
receberá atualizações de software regulares, lançando uma enorme
quantidade de novos recursos em um futuro próximo.
5.0 Conclusão
Cardano possui um marketing muito grande sem muito esforço. Seu
projeto é muito bem escrito e estruturado, um dos que passam maior
confiança. Isso graças a credibilidade devido seu modelo acadêmico,
sua transparência, inteligência, perspicácia. Cardano possui a
honestidade em saber abordar os problemas e demonstrar como
resolve-los, não se importando de usar tecnologias já existentes ou
de se aliar com outras criptomoedas.
O projeto passa uma sensação de rivalidade contra a Ethereum,
talvez devido seu idealizador ser um ex-fundador da mesma.
Cardano parece ser uma resposta ao fork da Ethereum. O fundador
acredita que não deveria ter acontecido, pois foge da ideologia por
trás das criptomoedas. Após tal erro, Cardano já inicia com planos
muito sólidos para evitar isso e outras coisas.
Como você deve ter notado, o assunto é vasto e requer estudo, como
tudo nesta vida. Esta é somente uma introdução para te ajudar a
iniciar neste mundo de criptomoedas. Está acontecendo uma ruptura
no sistema financeiro atualmente e recomendo fortemente que você
se habitue com os termos e o mecanismo da Blockchain, pois ela logo
estará presente em muitas outras áreas.
Essa formulação explica a base para o entendimento inicial do
mundo das criptomoedas, antes de investir é muito bom ter um
pouco de conhecimento, ao se familiarizar com os nomes e seus
processos e a segurança oferecida pela Blockchain e as criptomoedas.